Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

24
Abr16

avc-r

Na manhã seguinte lá estava eu ansioso por repetir tudo. Em especial, ansioso por repetir a ida ao café e com esperança de também a noite se repetir

noite

 

21
Abr16

avc-r

- Para quê perder tempo? Já o fiz durante anos e perder tempo é a pior das perdas. É pior que perder a vida. Eu já perdi um deles e quase a outra – tenho bastante conhecimento de causa. Uns 85% dele.

tempo

 

20
Abr16

avc-r

Depois de administrado o fármaco, a Dalila levou-me ao gabinete onde eu tinha conhecido e sido acompanhado pelo Miguel. Outra pessoa o ocupava.

- Olá, Jorge. Este é o Rodrigo.

- Obrigado, Dalila. Olá, Rodrigo. Sou o Jorge, sou fisioterapeuta e vou acompanhá-lo nos próximos dias. Posso?

Agarrou as pegas da cadeira, desviando cordialmente a Dalila e mostrando que queria ser ele a empurrá-la:

- Muito gosto, Jorge.

Os tratamentos do Jorge eram

 

fármaco

 

19
Abr16

avc-r

Depois dos dois exames, a doutora Mariana recebeu-me, de novo, no, bem decorado, gabinete dela:

- Estive a ver os seus exames e o seu cérebro está em perfeitas condições de prosseguirmos com o ensaio. Quando quer começar?

- Assim que vos for possível.

- Como sabe, o tratamento baseia-se em injeções. Temo-las prontas e podemos começar quando quiser.

- Pode ser já amanhã

ready or not

 

16
Abr16

avc-r

- Olá, eu sou o Rodrigo Saramago e tenho 42 anos.

- Excelente. Repita, mas mais devagar quando falar.

Repeti aquilo umas dez vezes até que o Miguel disse:

- Excelente. Agora leia em voz alta esta folha.

 

 

Sabendo o que sei e sabendo o que sabes e o que não sabes e o que não sabemos, ambos saberemos se somos sábios, sabidos ou simplesmente saberemos se somos sabedores.

 

O tempo perguntou ao tempo qual é o tempo que o tempo tem. O tempo respondeu ao tempo que não tem tempo para dizer ao tempo que o tempo do tempo é o tempo que o tempo tem.

 

Em baixo da pia tem um pinto que pia, quanto mais a pia pinga mais o pinto pia!

 

A sábia não sabia que o sábio sabia que o sabiá sabia que o sábio não sabia que o sabiá não sabia que a sábia não sabia que o sabiá sabia assobiar.

 

terapia da fala

 

15
Abr16

avc-r

Algo de céu. Uma unicidade. Sempre que ela falava parecia-me que a voz ficava suspensa no ar e me abraçava num terno envolver. Sorri:

- Olá. É o José Carlos. É meu primo.

- Olá. E olá, José. Não sabia que era teu primo, mas já o tinha visto ontem.

- Olá, Dalila.

- Como é que sabes o meu nome? Não respondas, não respondas. – Perguntou e respondeu num só fôlego.

céu

 

14
Abr16

avc-r

A minha vida tem sido a prova que os planos a longo prazo podem correr muito mal. Aos vinte eu estudava engenharia e imaginava-me a trabalhar toda a vida na área. Plano furado. Aos vinte eu namorava e fazia daquele namoro um projeto eterno. Plano furado. Com a idade que tenho delineava já ter filhos. Plano furado. Apenas três eventos furaram uma quantidade enorme de planos. A

 

planos-furados

 

13
Abr16

avc-r

Depois de uma rápida e superficial leitura da minha cronologia, voltei-me para o que tem sido o meu, quase, vício dos últimos meses:

- Olá, Isabel. Por aí?

- Olá. Sim, que tal o dia? Tranquilo? Foste lá ao laboratório?

- Calma. Tanta pergunta. Bom. Sim e sim.

- Conheceste a tal doutora? Que te disse ela?

- Continuas imparável. Conheci e não me disse nada de especial. Disse que tinha que me fazer uns testes. E deu-me um termo de responsabilidade para eu ler e se concordar: assinar.

- E já leste?

- Não, mas já assinei.

- Assinaste sem ler?

- Sim. Esteja lá o que estiver eu quero fazer o ensaio.

- E se lá disser que depois do ensaio vão-te matar? É melhor leres.

- Achas que vai lá estar uma coisa dessas?

- E se estiver? Não sabes. Não leste, não sabes.

- Isto pode parecer um absurdo, mas a vida está cheia deles e o pior é que alguns vêm mascarados e enganam a razão. Por vezes o instinto fala muito alto e, neste momento, o meu está aos gritos a dizer que eles são de confiança.

 

813184.jpg

 

12
Abr16

avc-r

– Pareces triste. Queres contar-me a tua história?

Em pouco mais de uma fração de segundo, a melodia contida naquela voz, encheu-me a alma e repetiu-se infinitamente na minha mente. Como flechas embebidas da sensibilidade apenas digna dos anjos, aquelas palavras rasgaram o sofrimento terreno que me atormentava e impregnaram de carinho e compreensão todo o meu ser.

 

ternura

 

10
Abr16

avc-r

Um a um, como as ondas, os pontos de referência que eu havia guardado foram explodindo nos meus olhos.

Uma velha igreja, que praticamente só a memória mantinha de pé, recordou-me a minha passagem pelos escuteiros e fez-me pensar na importância que isso teve na minha vida.   

igreja

 

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2003
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2002
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa

subscrever feeds