Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

03
Abr16

diário

apesar do avc e da paralisia, sou um privilegiado. mantenho a que, para mim, é uma das capacidades mais importantes que temos: sermos nós próprios. a inteligência dá-nos a capacidade de nos adaptarmos, mas a capacidade de não o fazer, tentando não magoar quem quer que seja, é mais rara, complicada de obter e não se consegue com inteligência. essa capacidade é, demasiadas vezes, incompreendida. não alinhar com a maioria só porque sim, pensar e ter a nossa, bem fundamentada, opinião é muitas vezes confundido com arrogância. manter-se fiel, com qualidade de argumentos e não apenas por teimosia, é complicado: toda a gente gosta de aceitação e isso implica, muitas vezes, mudar de opinião. mantê-la e fundamentá-la com qualidade não é teimosia: é arte.

não estou com isto a dizer que nunca devemos mudar de opinião – lembrem-se que mudar é sinal de inteligência -, mas não a mudar só para, como dizem os americanos, go with the flow, é algo que devemos perseguir.

eu, felizmente, tenho o privilégio de pensar por mim e, mesmo que doa a alguém, ter a minha própria opinião. pena é que esse alguém seja, muitas vezes, eu.

não alinhem em carneiradas e pensem. um erro bem fundamentado é mais valioso que estar certo sem saber porquê.

adaptar.jpg

 

03
Abr16

O Amor é um Acidente, uma Renúncia, um Hábito, uma Maldição

 

O amor é um acidente.
Eu estava sentada no regaço de uma mulher de cobre, uma escultura de Henry Moore, e Bill debruçou-se sobre mim e beijou-me nos lábios. E de repente eu amava-o. Amava-o e só isso importava. Reparei nas mãos dele, mãos de pianista. Mãos preparadas para o amor. Ainda hoje gosto de lhe ver as mãos enquanto folheia um livro, enquanto lê um jornal. As mãos dele envelheceram, envelheceram a apertar outras mãos, milhares de outras mãos, a jogar golfe, a assinar autógrafos e documentos importantes. Envelheceram, sim, mas continuam belas. Continuam a excitar-me.
 

03
Abr16

Alimentar o Amor

 

Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Chega-se sempre à primeira frase, ao primeiro número da revista, ao primeiro mês de amor. Cada começo é uma mudança e o coração humano vicia-se em mudar. Vicia-se na novidade do arranque, do início, da inauguração, da primeira linha na página branca, da luz e do barulho das portas a abrir.
Começar é fácil. Acabar é mais fácil ainda. Por isso respeito cada vez menos estas actividades. Aprendi que o mais natural é criar e o mais difícil de tudo é continuar. A actividade que eu mais amo e respeito é a actividade de manter.
Em Portugal quase tudo se resume a começos e a encerramentos. Arranca-se com qualquer coisa, de qualquer maneira, com todo o aparato. À mínima comichão aparece uma «iniciativa», que depois não tem prosseguimento ou perseverança e cai no esquecimento. Nem damos pela morte.

 

03
Abr16

diário

se quiserem podem esconder

o vento nos moinhos

e as ondas na praia

podem até esconder o ar

 

mas não me escondam os lírios

nem a claridade da tua pele

não me escondam a coragem

nem o vale do teu silêncio

 

não me escondam o teu corpo

pois só com ele sei o mundo

só ele me ajuda a dormir

 

não me escondam a tua alma

pois só com ela sei o sonho

só ela me ajuda a respirar

moinho-de-vento_1856_1024x768.jpg

 

03
Abr16

...

esta noite sonhei que caminhava despido numa estrada de palha. seguia ladeado por muros e pilhas de entulho - construções do acaso. ao longe, não muito, o rumoroso embater da água nas rochas transformava o silêncio do calor em promessa de frescura. entre o lixo e as paredes (e até ao descampado no final da rua), podiam-se ver gafanhotos de fogo a saltar em euforia - estranho como não incendiavam a estrada: enfim, era um sonho: até as falhas são credíveis.

caminhava lentamente. devagar. quase monotonamente.

apesar de, no sonho, estar a andar há horas, o fim da estrada e o descampado estavam ainda muito longe. por causa das fogueiras que me perseguiam não restava nenhum sal no meu corpo. não importava: a fraqueza que sentia era nos músculos e não no sangue. a estranha e férrea vontade de chegar ao descampado era muito mais forte. nenhuma fogueira era mais vigorosa.

na vida real, provavelmente, teria medo de caminhar assim para o desconhecido. apesar de achar que é o medo que impossibilita a maioria das coisas boas, também acho que as teorias não alimentam. a coragem não é não ter medo. pelo contrário. só tendo medo podemos ter coragem.

 

Lixo-Entulhos-constru----o.jpg

 

03
Abr16

avc-r

Sem entrar em grandes detalhes, a técnica baseia-se no uso de umas proteinas para regenerar as células que são atingidas pelo AVC.

Já lá vai muito tempo de imobilidade; muito tempo de inércia; muito tempo de simples espera. Os milagres existem, mas convém trabalhar para eles. Está na altura de tentar fazer alguma coisa. Fazer como quem diz.

03
Abr16

Os Amigos Nunca São para as Ocasiões

 

Os amigos nunca são para as ocasiões. São para sempre. A ideia utilitária da amizade, como entreajuda, pronto-socorro mútuo, troca de favores, depósito de confiança, sociedade de desabafos, mete nojo. A amizade é puro prazer. Não se pode contaminar com favores e ajudas, leia-se dívidas. Pede-se, dá-se, recebe-se, esquece-se e não se fala mais nisso.

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa
lfdsa

 

 

subscrever feeds