Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

25
Out11

...

Querida C.,

 

É estranho quando lemos a primeira palavra e sabemos de imediato que todo o texto nos é dirigido. Li hoje a tua carta. Estranhei a tua mensagem de despedida e, mais ainda, a prolongada ausência. Compreendo, agora, com a tua carta, todos os avisos que durante estes dias tenho sentido. Sabes C.?, a alma também são estes pressentimentos e ela, a alma, não pode nunca estar enegrecida. Talvez possa, por vezes, estar coberta com um manto sombrio de dúvidas ou razões, mas enegrecida não. A alma é a única luz que nunca se apaga, deverias por isso acreditar na nossa amizade todos os dias e não apenas hoje. A regularidade não significa nada, duas pétalas da mesma flor, mesmo quando guardadas entre as páginas de diferentes livros, serão sempre duas pétalas da mesma flor.

 

Por isso te digo, querida amiga, a tua alma não está, nem nunca esteve enegrecida, a tua alma está envolvida em dúvidas, está sufocada pela razão e talvez também pela falta dela. Dizes que dificilmente voltarás a acreditar no amor, que te apetecia dizer que nunca mais acreditarás no amor, pergunto-te, não será também o amor, esse acorrentar da alma à razão quando outros valores se erguem? Se assim for, essa sobreposição de que falas, não será também amar? E como poderá alguém deixar de acreditar no amor e amar ao mesmo tempo?

 

Tu não precisas de quem te ensine o que é o amor. Também não precisas de mudar a ideia que tens do amor. Amor é o que tu sentes, não é o que pensas dele e muito menos o que te possam ensinar sobre ele. As opções de vida que referes, são de certeza uma outra forma de amar. Talvez sejam apenas uma forma de amor para a qual não estás ainda totalmente sensível. Apesar disso, não podemos misturar o que sentimos por esta ou aquela pessoa com o verdadeiro significado do amor. As pessoas existem, o que sentimos por elas também, o verdadeiro significado do amor não.

 

Vivemos numa balança. Num dos pratos, algo que ninguém sabe quanto pesa, no outro, tudo aquilo que somos, tudo aquilo que sentimos e tudo aquilo que nos rodeia. O resultado, deverá ser um equilíbrio natural. Um equilíbrio, reconheço, muitas vezes difícil de conseguir, já que não conhecemos o peso que força um dos pratos. Por isso, temos que jogar com o prato que conhecemos. Não é fácil, ter que aumentar ou diminuir o peso desse prato até equilibrarmos a balança. Não é fácil, as pessoas existem, o que sentimos por elas também, o verdadeiro significado do amor não. Não é fácil, mas o importante é o equilíbrio. O importante é amares as opções que tomas e decidires sempre pelo teu equilíbrio. O importante és tu.

 

Um beijo de um amigo que chorará sempre cada uma das tuas lágrimas. Um beijo de um amigo que sempre se alegrará com cada um dos teus sorrisos.

 

17
Out11

LATE NIGHT SECRETS

P a r t i d a

(Jean-Arthur Rimbaud, Iluminações, Assírio & Alvim)

 

Demasiado visto. A visão percorreu todos os ares.
Por demais sofrido. Rumor das cidades, à noite, ao sol, e sempre.
Por demais sabido. As estocadas da vida. - Ó Rumores e Visões!
Partida no afecto e no ruído novos!

 

01
Out11

outubro 2011

maldito este infinito que teima  em manter-me preso a esta cama. um dia, não muito distante, espero, vou acordar e serrá-lo ao meio. como se fosse um cacho de uvas, vou vindimá-lo sem qualquer piedade. martelá-lo. esmurrá-lo. amá-lo.
 
31-10

para a Maria Teresa Dias
 
 
há pessoas que são verdes
como árvores
e azuis
como rochas
esculpidas pelo infinito
nos vales e serras
de países que estão perto
13-10
 
castelos de sombra nos olhos
facas de sangue  no corpo
palha no lugar do cabelo
musculado e bonito
o meu filho é um espanto
12-10
 
linda essa lua no teu cabelo
magnífico esse mar na tua boca
12-10
 
o mar crepitava
nas paredes do quarto
de João Luís, o Impaciente
que limitava-se a bater
com a caneta na secretária
de madeira verde.
A lareira acesa
cantava
canções de amor
a João Luís, o Impaciente
que continuava a bater
com a caneta na secretária
de madeira agora preta.
 
11-10
 
a neblina nasce na relva como a incerteza nasce
o vento nasce na copa de UMA árvore muito antiga
e arde-me nos olhos chorosos e vermelhos de sono
 
11-10
 
a elegância de uma sereia
percorre-me o corpo lentamente
e enquanto ele se dobra em dor
os braços esticam-se em dúvidas
 
6-10

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2003
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2002
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa

subscrever feeds