Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

31
Dez04

...

sinto, pelo terminar do canto, um fascínio ébrio e matemático. divertem-me a esperança e os projectos esquecidos dois dias depois. divertem-me muito as cidades. assim vestidas, de céu e panos brancos. sabes, a recompensa das cidades é o asfalto azul que as percorre na lentidão do último dia, isso diverte-me, mas escuta: que a vastidão do novo pássaro lhes sorria sempre, que seja essa e só essa a sua recompensa, a minha será ver a morte de alguns bichos enquanto aprendo a idade dos anjos nos teus lábios.

20
Dez04

...

vida toupeira, desperdício genético,
na cegueira colectiva faço apenas o que me obrigam.

tão pouco é o ar que respiramos.

catacumbas, espirais, túneis em chamas
que não chegam nem levam a parte alguma do céu

tão pouco é o ar que respiramos.

estou no lado errado da lua.
numa sala, fechada pela orgulhosa ignorância
de um gorila que navega à deriva,
protegendo-se das tempestades de merda,
que ele próprio inventa,
com a máscara do conforto.

tão pouco é o ar que respiramos.

pouco interessa.

tão pouco é o ar que respiramos.

nada que me interesse.

estou rodeado de orgulhosos poços de saber,
profundos abismos oceânicos povoados de conhecimento,
formas de vida desprovidas de vazio,
tudo as preenche na totalidade e,
imagine-se,
basta-lhes uma moeda
para responderem a todas as necessidades.

até eu, cápsula de cianeto, posso mergulhar
e afogar-me nesse mar de erudição,
sem perigar
qualquer outra espécie
viva ou já morta.

no último sopro da toupeira
faço apenas o que me obrigam.

escasso é o ar nestes túneis.

18
Dez04

do sangue

há momentos em que me odeio. por não conseguir evitar odiar-te, odeio-me. eu sei, não foste tu que te perdeste, foi a tua consciência de ti, mas há momentos em que é como trazer flanelas vestidas no verão e teres sido tu a vestir-mas. é como ser a única folha dourada na primavera por não te poder beber. odeio-te por saber que te amo sem te saber. por vezes odeio a inevitabilidade do amor. sabes, dói muito não te saber, mas dói ainda mais não saber se me sabes, dói ainda mais não saber se alguma vez me encontras na tua busca de ti próprio.

*

um dia saberás que te procuro todas as noites. o labirinto é enorme e muito escuro, é feito de escadas em caracol e rampas de memórias. percorro-o quase como fazias para te encontrares. lembro-me, costumavas procurar-te nas serras, que subias e descias infinitamente, e no pêlo de animais abandonados. juro-te, procuro-te muito todas as noites. há muitas portas, todas fechadas. uma noite arrisquei uma delas, era de água e pareceu-me fácil. consegui atravessar o medo e mergulhar na água gelada, mas, do outro lado, apenas um pássaro a voar muito alto e a espiral descendente dos teus olhos. por vezes a tua cara. procuro-te como te procuravas na alucinação das imagens e nas florestas de tempo. já te perdi há muito tempo. não sei se ainda procuras as tuas mãos no abandono das sombras. não sei se chegaste a descobrir-te, eu ainda não te encontrei, mas, um dia saberás, procuro-te muito todas as noites. no teu fantasma. nas tuas mãos de árvore antiga.

18
Dez04

Natércia Freire

também no DN. transcrevo parte:

Atenta à riqueza do léxico e a uma beleza não só da forma, mas da essência, a poesia de Natércia abre-se a uma musicalidade em consonância com um salto do psicológico para o metafísico, salto plenamente amadurecido e enredado numa existência supra-sensível e delicada de tipo místico «Mas às vezes há um desejo de solidão, de uma solidão breve. De morte. Falamos, os que se encontram, uma língua de tempos derradeiros.» (Entrevista ao DNa)

18
Dez04

...

saturno.jpg

18
Dez04

Natércia Freire

via valter hugo mãe. também o meu respeito e homenagem.</p>Esse nome - Natércia FreireEsse nome, Poesia! Esse nome, esse nome...Esse rito, esse mito, o chacal das angústiasEssa arma de fogo que repele e que explode,Que o peito te alimenta e te come e te come!O deserto a florir. O oceano a sangrar.Tanta ave a subir das ruínas ardentes.As pedras removidas. Os Templos abalados.Os segredos dos deuses no fumo desvelados.As promessas abertas. Os sacrários abertos.Decifrados nos mortos insolúveis sinais.Os retratos da água, quebrados. Mais os selos,De todos os mistérios. Nos ventos abissaisA puríssima voz dos homens imortais.E esse nome, Poesia? . .. Esse amante, onde o escondes?Esse mágico arauto. O sangue do teu corpo.O labirinto. O guia, da cega caminhada,O terror, o terror, dos homossexuais,Que gera e lhes destrói os dias geniais.E esse nome, Poesia?!... Nas montanhas, nos cais,As multidões de artistas, velhos adolescentes,Fitam o arco de oiro. As fluidas espirais,Do chicote que rasga coerências incoerentes.Doidas andam nos céus as máquinas e os olhosPensamentos sem crânios.Azuis fosforescências de azuis mediterrâneos.Um atroz sofrimento aos homens prometido.Diz seu nome, Poesia! Outeiros e balidosDe cordeiros dormidos lhe auguram a chegada.Diz-lhe que venha, sem o fel do fim: - Vem, Irmão, como a água.Não provoques a chaga,Nem estrela, nem cometa.Vem consumado, enfim,Como um dia virásPara o último Poeta.

18
Dez04

...

são castelos de sangue e medo
mascarados por Dezembro
empalados por vigas de prata alheia
que enchem as ruas de falsas luzes
na estúpida tentativa
de engolir as próprias sombras

os perfumes são reles
(não escondem as feridas do suor)
os casacos remendados
(não escondem os ossos destapados)
os lábios uma mentira
e os olhos a miragem de um sorriso

(como as ideias também as serpentes são belas)
a rainha das víboras mordeu-me o pescoço
e o veneno coagula como aço fundido
agora apenas as palavras porque o corpo
ou porque o que penso ser o corpo
está morto e enterrado numa vala de granito

17
Dez04

...

tenho a imaginação rodeada pelos teus lábios quase fechados
e a respiração (des)controlada pelo vento

na memória das tuas mãos

as serpentinas da saudade agitam-se negras no ar
como se os braços enormes do silêncio
espalhassem sombras no abandono da pele
e o ondular nocturno dos meus olhos
destapasse o ninho de escaravelhos verdes
que se esconde por dentro das flores

preciso muito de saborear a humidade do sangue
ou de adormecer entre o conforto das tuas asas
e o eco de uma palavra que dissolva a chama

16
Dez04

pergunto-me

porque haverá blogs com ligações para blogs que já não existem há meses?será que criam a ligação por cortesia e nunca mais lá voltam?será que devemos manter esse tipo de ligações para poupar trabalho se o blog desaparecido renascer?ou será preguiça?falta de tempo? (coitado do tempo, sempre ele)PS: Um novo agradecimento, desta vez ao neo-normal pela ligação a este tipo-blog.

Pág. 1/3

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa

subscrever feeds