Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

12
Jan04

diálogo

 

- Olha, é uma flor do deserto. Pode sobreviver durante meses sem uma gota de água e sem perder nunca aquelas cores.
- É muito bonita.
- É uma lutadora. Pode sobreviver durante...
- Sim. Já disseste.
- Toma.
- Obrigada. Sorrio-te.
- É do deserto.
- Sim.
- Beijas-me?
- Beijo.

- Escrevi-te hoje uma carta. Uma carta de amor.
- E quando vou recebê-la?
- Mais logo.
- Fico feliz por saber que ainda me escreves cartas de amor.
- E eu fico feliz por saber da tua alegria.

- Espera.
- Que foi?
- A tua mão...
- Desculpa, magoei-te?
- Não. Não tem mal. Continua.

- Será que mais alguém se ama desta forma?
- Como assim?
- Como nós...
- Como agora?
- Sim.
- Talvez... não sei.
- Mas é bom podermos conversar enquanto nos amamos, não é?
- É sim.

- Estava com saudades do teu corpo.
- E eu do teu. E do calor.
- Sim. Este calor, sabe bem, não sabe?
- Sim, sabe muito bem.

- Desligamos a televisão?
- Sim, desliga.
- Calamo-nos um pouco agora?
- Sim, mas beija-me novamente.
- Beijo.

12
Jan04

...

- Olha, é uma flor do deserto. Pode sobreviver durante meses sem uma gota de água e sem perder nunca aquelas cores.
- É muito bonita.
- É uma lutadora. Pode sobreviver durante...
- Sim. Já disseste.
- Toma.
- Obrigada. Sorrio-te.
- É do deserto.
- Sim.
- Beijas-me?
- Beijo.

- Escrevi-te hoje uma carta. Uma carta de amor.
- E quando vou recebê-la?
- Mais logo.
- Fico feliz por saber que ainda me escreves cartas de amor.
- E eu fico feliz por saber da tua alegria.

- Espera.
- Que foi?
- A tua mão...
- Desculpa, magoei-te?
- Não. Não tem mal. Continua.

- Será que mais alguém se ama desta forma?
- Como assim?
- Como nós...
- Como agora?
- Sim.
- Talvez... não sei.
- Mas é bom podermos conversar enquanto nos amamos, não é?
- É sim.

- Estava com saudades do teu corpo.
- E eu do teu. E do calor.
- Sim. Este calor, sabe bem, não sabe?
- Sim, sabe muito bem.

- Desligamos a televisão?
- Sim, desliga.
- Calamo-nos um pouco agora?
- Sim, mas beija-me novamente.
- Beijo.

 

08
Jan04

roma

 
 
 

01
Jan04

janeiro 2004

 

 

na descendência das flores nascem dias já terminados
e a poesia não é senão falsa modéstia

aqui escreve-se sem qualquer inteligência

as palavras não são para ser estudadas
são para ser amadas como se amam as cores

e não me falem em pontuação
pontos e vírgulas uso-os quando e se eu quiser, quem me impede?

 

2-1

 

 

hoje este é o meu desafio
amanhã deixará de o ser se não o cumprir

e depois?
quem se importa se nem a mim me preocupam os sucessivos fracassos.

7-1
 
uma carta para ti, minha amiga



quase com o despertar das pérolas do desejo,
no tempo das primeiras serenatas de álcool e tabaco,
descobri também a pureza impetuosa da inocência:
um corpo não era um corpo mas o sol que o aquecia.

nesse tempo, consegui amar. lembras-te?
consegui amar-te.

hoje sou um monstro já sem amor minha amiga,
o que hoje faço,
com o corpo que sobrou depois de ti e de todas as outras,
não é amar.

tenho este poema como segredo
e não precisava de o escrever,
precisava de sussurrar-to lentamente,
como costumávamos fazer na idade da matemática.
lembras-te do poema que te escrevi?

precisava que os teus braços
me ensinassem novamente a escrever
apenas para duas pessoas,
sem pensar no que pensará quem lê,
escrever apenas para sentir o calor que sentia quando te lia ao ouvido.

precisava apenas de amar alguém com a inocência com que te amei.
talvez nem precisasse de o escrever. lembras-te como era?

11-1
 

posso passar aqui toda a noite
a fingir a poesia nas palavras que escrevo,

mas o mais importante é que talvez não o faça.

12-1
 

um dia o mundo saberá que sou eu que escrevo os meus segredos.
pergunto-me, será finalmente esse dia a morte do meu?

12-1
 

como facas que se espantam ao penetrar carne macia,
palavras sem piedade a ferir animais surdos e mudos.

no fim, não haverá um delta na foz, apenas escuridão.

13-1

 

Hoje, saí demasiado tarde do trabalho
(já não me lembro porque lá fiquei tanto tempo).
Na companhia de uma primeira cerveja, olho a noite

(o fogo respira as entranhas da cidade,
dois cães disputam entre si os últimos restos,
dois restos verbalizam ódios no último semáforo livre)

e viajo para o único sítio onde a poesia me acontece,
para o abismo absurdo, para onde mora o medo de cimento
de um dia descobrir que já não sei quem sou.
Peço uma segunda cerveja. Lá fora, a noite, fria,

(cá dentro, o aquecimento e os olhares de mulheres desconhecidas,
o chilrear dos copos e a simpatia fingida a fumar por trás do balcão)

prossegue rapidamente sem mim, mas ninguém se importa.
Volto a mergulhar no sangue e no meu sangue.
Para que me convençam que sou o que digo ser,
faço das palavras minhas escravas, chicoteio-as,
obrigo-as a dizerem apenas o que quero ouvir.
Um dia, sei-o, serão elas a verga de salgueiro
que outros usarão para me rasgar a pele,
enquanto me perguntam: valeu a pena mentires-te?

(Mas, entretanto, gosto desta mesa de madeira mal encerada
e de observar os semáforos pela janela meio embaciada.)

Quando aqui venho, nunca estou sozinho,
há sempre um ou outro cadáver existencialista,
a lembrar-me que agora os valores são outros
e que estou completamente fora de moda.
Mas eu não quero estar na moda, quero apenas compreender(-me).
É isso que não deves fazer, procurar respostas era para o meu tempo.
Mas tu estás morto, eu estou aqui e sufoco(-me).

(Excita-me esta mulher que, de costas para mim,
espreita por cima do ombro, enquanto afasta o cabelo de ouro,
num gesto demasiado lento para ser verdadeiro.)


17-1

 

 

Eu não existo todos os dias.


19-1

 

Estou farto de ser genial, de ser bom com os números,
com a física e a jogar futebol. Estou cansado de saber escrever,
de ser alto, moreno e magro e de ser bom com computadores.
Sufoca-me ganhar quatro vezes mais que a média nacional,
desespera-me ter muitos e bons amigos e destroi-me ser amado.

Um dia, deito tudo fora.

Alugo uma casa numa aldeia distante e, enquanto houver dinheiro,
fecho-me no quarto a ver big brothers e filmes pornográficos,
a comer porcarias, a fumar, a beber e a masturbar-me até adormecer.
Quando o dinheiro acabar, mato alguém que não faça falta
e vou viver às vossas custas. Não é muito diferente do que faço agora.

PS: Metade do que escrevi é mesmo verdade.

20-1
 

nos vidros, com os dedos molhados pelas tuas palavras,
desenho lentas respirações na condensação do silêncio.

será pecado desejar escrever um verbo nos teus seios?

 
22-1

 

tenho andado ocupado
(com a minha vida verdadeira)

hoje voltei porque há muito tempo não me via.

 

 26-1

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2003
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2002
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa
lfdsa

 

 

subscrever feeds