Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

01
Abr02

2002 - parte IV

6.

 

Vou arrancar os sonhos do meu peito,

estilhaçá-los como vidros e deixar de acreditar.

Vou semear um deserto de plantas rarefeito,

afogar-me na maior das dunas e deixar de sonhar.

 

Não se realizou até hoje um só inconsciente querer,

por mim, pelos outros ou por Deus todos fugiram.

Quero agora, mesmo que chorando, adormecer

e desistir dos sonhos que de mim desistiram.

 

Não mais alimentarei paixões de Alma,

que se sobreponha a mente ao coração,

se no Espírito não encontro calma,

também desisto da frágil recordação.

 

Antes a alegre ignorância do tolo e contente

que este sofrimento de quem luta por sonhos.

Antes a paz dos enterrados em terra doente

que esta guerra de sentimentos medonhos.

 

Passo a preferir o projecto ao sonho!

 


7.

 

Fechei os olhos neste preciso momento,

não sou eu que escrevo, mas o meu desejo de te abraçar.

Viajo deste mundo de lágrimas na esperança de alcançar o teu.

Longe ou perto que interessa? Mesmo daqui seguro as tuas lágrimas

com as minhas e guardo-as juntas no mesmo coração,

no coração grande que habita o Todo.

Depois abraço-te num sorriso e segredo às tuas mágoas

que não preciso dos meus braços,

que não preciso das minhas mãos para as estrangular,

preciso apenas de te amar e que com esta forma tão especial

de amor que a ti te destino, também não preciso do teu beijo

para suster o meu pranto, preciso apenas do teu sorriso.

 


8.

 

Estou bem assim,

não preciso de mais nada.

Obrigado, mas não.

Chove sangue no meu quarto

e é quanto me basta.


9.

Almada, 14-11-2002

com a memória e o coração no

dia 12 de novembo de 2002.

 

por vezes um anjo desce dos céus

e rasga a dor do mundo com mãos de ouro

 

(e basta-lhe apenas o amor)

 


10.

 

Ergue-te minha Deusa,

dança acima do solo

ao ritmo deste Allegro e vem,

vem sereia encantada,

eu espero sem sofrer,

mas vem. Vem e alimenta

a minha alma com a sinfonia

de sentidos que habita

o rio de água cristal

que corre em tuas veias.

 

Ergue-te minha Deusa,

ergue-te por entre a orquestra

de prazeres secretos

que respira a tua música,

ao rumor dos tambores

abre serena os braços,

faz da melodia dos violinos

a harmonia dos teus passos

e conduz o teu corpo,

à casa onde habita o sonho.

 

Ergue-te minha Deusa,

não venhas porque te amo,

mas vem se me amares,

pois quero compor contigo

a mais bela de todas as óperas,

a mais intensa das sinfonias,

a mais completa de todas as obras,

a mais perfeita poesia.

Só depois poderei sonhar

o poema que me falta cantar.

 


11.

 

I.

Acordado, sonhei que amava uma Margarida,

que se despia ao sabor de cada momento,

transformando a noite em contentamento

e a distância impossível em voz querida.

 

O seu corpo encerrava os prazeres do mundo

e inventava a sensualidade no espaço mudo,

e onde o silêncio mais que muito era o tudo,

nasceu o que se ouve só no prazer profundo.

 

Sem que pudessem as minhas mãos tocar-lhe,

sem respirar o aroma que adivinho supremo,

sem o sabor do beijo que antevejo divino,

 

mas com o erotismo de um cisne, a enfeitar-lhe

os movimentos, provocou o deleite extremo

e enfeitou a minha noite como hoje a ilumino.

 

II.

 

E a fina branca flor, que sonhei nua e minha,

alimentou-se dos meus olhos em puro desejo

e mostrou-me no nu desfolhado que ainda vejo

as estradas por onde com ela o amor caminha.

 

Protegida pelo calor, dançava o amor sozinha,

despia-se e tornava-me fogo sem um só beijo,

tocava o corpo em flor, em sensual doce festejo,

com toques meigos que da volúpia faziam rainha.

 

Desciam-lhe os dedos do pescoço aos ombros,

caminhavam em prazer entre o ventre e o peito

e com as formas que desenhava no ar sereno,

 

reduziu a minha sólida solidão a escombros,

iluminou a noite com um dia de prazer perfeito

e fez da revoltada tempestade mar ameno.


12.

 

E eis que surge o amargo silêncio nas selvas eléctricas,

onde palavras escritas substituem as que não dizemos,

quando olhares se cruzam para anular as simétricas

necessidades de falar sobre aquilo que não podemos.

 

onde se escondem queridas princesas do meu universo?

voltem para esta insensata selva onde estou submerso.

Faltam-me as vossas palavras e falta-me o ar que respiro,

não me deixem por isso sozinho neste demente retiro.

 

Sei que são fracos os versos que vos escrevo,

mas é forte o desejo que os imagina suficientes

para voltar a dançar ao som do frenético frevo,

que oiço quando leio as vossas palavras quentes.

 

13.

 

Terás tu um dia o tempo que preciso

para fazer do meu desejo o teu?

O tempo para fazeres do teu sorriso o meu?

Sem segundos, sem horas, o tempo indiviso,

o momento que de finito faremos eterno,

de nosso universal e de único reflexo infinito,

o instante feito sempre e o verão inverno.

Terás tu um dia este tempo, que limito

ao outro infinito, ao pouco que te escrevo,

para inventarmos o nosso próprio desmedido?

Eu, tu e o antes inalterável, a sós,

a recuperar o que andou perdido,

a inventarmos de novo a palavra nós.

lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2006
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2005
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2004
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2003
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2002
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa
lfdsa

 

 

subscrever feeds