Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

vinho tinto

vinho tinto

01
Mar02

2002 - parte III

Sonetos (Imper)feitos a Duas Vozes

 

 

I.

 

Enclausurado na escura câmara da saudade,

um coração desesperado grita por liberdade:

– Libertem-me grades cruéis! Não quero mais chorar

por este sentimento a que os tolos chamam amar!

 

–  Para que gritas, coração saudoso,

se à tua voz trémula já ninguém liga?

Porque choras, coração medroso,

se por amor tens quem te siga?

 

– Grito porque por amor abandonei quem me ama

e choro por amar outro coração também choroso,

que não chora pela saudade da minha cama.

 

– Oh coração cativo desse ilusório encantamento,

tu amas as grades e não a liberdade que cantas

e é por isso que choras nesse amargo sentimento!

 

 

 

 

II.

 

 

– Oh mente pensante, tens a lógica e a razão do teu lado,

mas só eu sei o que é andar e voar sobre o solo sagrado

onde florescem a saudade, a tristeza, a alegria e o amor.

Não queiras tu ensinar-me onde nasce a minha dor!

 

– Não posso senão sorrir ao escutar palavras-sentidas.

Coração onde não mando, ouve-me tu por uma vez:

Palavras de amor eterno, são apenas palavras perdidas,

como pensas poder amar uns olhos que não vês?

 

– Chega-me a sublime recordação daquele olhar,

daquele brilho intenso que nos unia num abraço,

que por tão belo, parava o tempo e anulava o espaço.

 

Mente distante, chega-me a nobreza da saudade

para saber que são dor as lágrimas que condenas.

– É água desesperada que corre, não é amor de verdade.

 


III.

 

 

– Pobre coração doente, o amor vem e vai como um rio,

não ergas um dique de saudades no leito dessas águas,

permite que esse amor perdido seja apenas gelo frio

e em breve poderás libertar-te de tão miseráveis mágoas.

 

Sentir deste corpo, que comando e oriento pela razão,

faço os olhos tristes chorar e os lábios alegres sorrir,

dou-te a voz intensa para que todos te possam ouvir

e deixo que comandes a vida quando vejo que é paixão.

 

Mas as pérolas nuas que te beijavam o peito

afastaste-as tu com esse vulgo amor perfeito,

que queres agora fazer com esse outro coração desfeito?

 

Nessa ânsia de descobrires a tua eternidade

acabaste por te afogar na tua própria bondade,

diz-me coração demente, qual é agora a tua vontade?

 

 

IV.

 

                 


1. Recordação e Sonho

 

Mais do que uma flor,

és a que num divino momento

transformou um árido terreno

num jardim recheado de amor.

Distante, continuas a ser a Flor

que mais o ilumina.

 

A paz no branco das tuas pétalas,

o brilho nos reflexos

das pequenas gotas de água

que repousam nas tuas folhas

e a fragrância

do perfume que distribuis,

continuam a preencher

de prazeres sublimes,

de sonhos e de nobres sentimentos

cada recanto deste jardim.

 

Sempre que o contemplo

é a tua cor, a tua luz

e o teu perfume que sinto.

 

Hoje,

destroiem-me as saudades

de tocar essa Flor,

de segredar-lhe

palavras de amor,

de sorrir ao seu sorriso

e de chorar com as suas lágrimas,

de alimentá-la e de saciar a sua sede.

Destroiem-me as saudades

de ser Parte da Flor.

 

Que louco fui quando pensei

que seria possível viver com a recordação

do Amor sublime dentro de mim,

desistindo dele na forma do teu corpo,

do teu sorriso e da tua presença.

 

Quero voltar a saciar a minha sede de amor

nos teus lábios e nas tuas lágrimas.

As minhas mãos tremem de fraqueza,

ansiosas por voltar a sentir

as delicadas pétalas de lírios que,

substituindo a pele salgada,

cobrem todo o teu corpo.

 

Quero voltar a alimentar o meu desejo

na chama de ternura que descobri

nos teus olhos e no teu beijo.

O meu corpo arrepia-se de sonhos,

ansioso por voltar a consumir-se

no fogo, que atravessando os teus olhos,

penetrava os meus.

 

Quero-te de novo meu Amor,

quero-te minha Flor.

 

 


2.

 

 

Sou só aquele que querem

por tudo o que não quero ser querido,

nada sou que queira alguém ser,

embora muitos queiram que eu seja,

aquilo porque querem ser esquecidos.

 

Agoniado, vomito um grito desesperado;

Porque me tentam agarrar, segurar,

porque me tentam encontrar, se agora,

se agora que corro para o que quero ser

não mais suportarei aquilo que têm sido!

 

Que rufem os tambores de guerra

pois cairão por terra os vossos castelos ruídos.

Desenterrou-se, libertou-se do terreno de vossas serras

a viga rija que suportava o vosso querer escondido.

Corrompida, corroída, por insistência destruída

e embora sozinha, corre agora para uma nova vida.

 


3.

 

Oh vasta floresta perdida que me alimentaste a Alma

na tua pele procurei vida nos teus braços encontrei calma.

 


Floresce de novo o meu desejo com os teus seios em flor,

despe-me, semeia-te em mim, mostra-te sem pudor.

 

 

Incendeia-me de novo o corpo por te desejar assim.

 

 

Oh vasta floresta distante, secular no tempo e no espaço gigante

na tua Eternidade reside o amor e na tua distância a minha dor.

 

 

 


4.

 

Fosse eu o pássaro que transporta a alegria que inunda a Primavera de flores

Fosse eu o majestoso leão que transporta a vida que inunda o Verão de calor

Fosse eu o dourado das folhas dos plátanos que enchem o Outono de saudade

Fosse eu o branco da neve que no Inverno aquece os corações dos homens

 

Apenas de sublimes prazeres seria preenchido o teu espaço.

 


5.

 

Nunca por ti feliz escrevi

Mas hoje, mais do que feliz,

Sinto vida em mim por ti

E por ti hoje ninguem me diz

Que não posso escrever assim.

E para ti, como nunca quis,

Quero hoje escrever de mim.

Sinto-me vivo, sinto-me forte!

Tão forte que escrevo depressa

Para não deixar fugir a sorte

que é escrever-te sem pressa,

a pensar rápido para acabar

um qualquer verso risonho,

para no fim voltar a chorar

pelo fim do nosso sonho.

 


lfdsa


Subscreva o
"Poema Semanal"

E receba gratuitamente uma cópia em PDF do meu livro «Muros e Amor»

* indica que o campo é obrigatório
Email *
Primeiro Nome
Último Nome

Sigam-me

lfdsa

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2005
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2004
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2003
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2002
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
lfdsa

Arquivo Temático


AVC-R
AVC Do Amor
Diário
Música
Prosa
lfdsa

Links

blogs

cinema

editoras

jornais & TV

poesia

revistas

outros

sugestões

  • Mandem as vossas sugestões para luisfdsabreu@gmail.com. Obrigado!
lfdsa

subscrever feeds